Poeta Cantado é Poeta Lembrado

plant-142101_640O binômio Arte e Ciência sempre esteve presente em nosso dia-a-dia. Seja através da expressão da ciência através da arte ou da ciência como ferramenta de novos estilos artísticos, ambas sempre andaram a pari passu.

Baudelaire em seu livro O Pintor da Vida Moderna (1863) nos diz sobre (o belo e a moda) que “as transições seriam, nesse caso, tão graduais quanto o são na escala do mundo animal”, em uma clara comparação entre a evolução darwiniana e a Evolução da idéia do Belo.

Nas artes visuais o impressionismo de Monet utilizou da experiência da óptica para transformar pinceladas a princípio aleatórias em telas magníficas. Graças à Óptica não há mais a necessidade do contorno, do delineado. Na música acompanhamos a “evolução” da música passando de um canto monofônico do cantochão à polifonia de Stravinsky.

Da matemática de Pitágoras e suas oitavas até as músicas contemporâneas, temos a possibilidade de expressar não apenas harmonia e melodia, mas também sonhos e desejos nas nossas mais diferentes ideologias ou visões de mundo. MOREIRA, I.C. & MASSARANI, L. (2006) nos dizem em seu texto que “…como, nas letras de canções da música popular brasileira, surgem e se expressam temas e visões sobre a ciência, a tecnologia e seus impactos na vida moderna.”

Sobre o prisma da sustentabilidade, do desmatamento, temos nos compositores oriundos das regiões fora do círculo das grandes metrópoles e cujos locais passam por graves problemas ambientais a expressão mais contundente da causa ambiental. Dentre estes, o compositor Xangai, nascido em Itapebi, sul da Bahia nos narra através da sua música Matança (Jatobá), sobre os problemas do desmatamento e de como temos nossa saúde ambiental ameaçada com a modificação das matas. Além disso, como característica do cancioneiro, do cordel, ele fala com bom humor onde estão habitando nossas espécies mais nobres de árvores. Da mesma linha temos a música Saga da Amazônia, do compositor Vital Farias, nos fala não só da questão ambiental mas das políticas envolvidas nas regiões de conflito, mas envolvendo a questão cultural e metafórica na letra, como podemos ver a seguir:

MATANÇA (Xangai)
Cipó Caboclo tá subindo na virola / Chegou a hora do Pinheiro balançar / Sentir o cheiro do mato, da Imburana/ Descansar, morrer de sono na sombra da Barriguda / De nada vale tanto esforço do meu canto / Pra nosso espanto tanta mata haja vão matar / Tal Mata Atlântica e a próxima Amazônica / Arvoredos seculares impossível replantar
Que triste sina teve o Cedro, nosso primo / Desde de menino que eu nem gosto de falar/ Depois de tanto sofrimento seu destino / Virou tamborete, mesa, cadeira, balcão de bar / Quem por acaso ouviu falar da Sucupira / Parece até mentira que o Jacarandá Antes de virar poltrona, porta, armário / Mora no dicionário, vida eterna, milenar
Quem hoje é vivo corre perigo / E os inimigos do verde dá sombra ao ar / Que se respira e a clorofila / Das matas virgens destruídas vão lembrar / Que quando chegar a hora / É certo que não demora / Não chame Nossa Senhora / Só quem pode nos salvar é…
Caviúna, Cerejeira, Baraúna / Imbuia, Pau-d’arco, Solva / Juazeiro e Jatobá / GonçaloAlves, Paraíba, Itaúba / Louro, Ipê, Paracaúba / Peroba, Massaranduba / Carvalho, Mogno, Canela, Imbuzeiro / Catuaba, Janaúba, Aroeira, Araribá / Pau-Ferro, Angico, Amargoso, Gameleira / Andiroba, Copaíba, Pau-Brasil, Jequitibá

SAGA DA AMAZÔNIA (Vital Farias)
Era uma vez na Amazônia a mais bonita floresta / Mata verde, céu azul, a mais imensa floresta / No fundo d’água as Iaras, caboclo lendas e mágoas / E os rios puxando as águas
Papagaios, periquitos, cuidavam de suas cores / Os peixes singrando os rios, curumins cheios de amores / Sorria o jurupari, uirapuru, seu porvir / Era: Fauna, flora, frutos e flores
Toda mata tem caipora para a mata vigiar / Veio caipora de fora para a mata definhar E trouxe dragão-de-ferro, prá comer muita madeira / E trouxe em estilo gigante, prá acabar com a capoeira
Fizeram logo o projeto sem ninguém testemunhar / Prá o dragão cortar madeira e toda mata derrubar / Se a floresta meu amigo, tivesse pé prá andar / Eu garanto, meu amigo, com o perigo não tinha ficado lá
O que se corta em segundos gasta tempo prá vingar / E o fruto que dá no cacho prá gente se alimentar? / Depois tem o passarinho, tem o ninho, tem o ar / Igarapé, rio abaixo, tem riacho e esse rio que é um mar
Mas o dragão continua a floresta devorar / E quem habita essa mata, prá onde vai se mudar??? / Corre índio, seringueiro, preguiça, tamanduá / Tartaruga: Pé ligeiro, correcorre tribo dos Kamaiura
No lugar que havia mata, hoje há perseguição / Grileiro mata posseiro só prá lhe roubar seu chão / Castanheiro, seringueiro já viraram até peão / Afora os que já
morreram como ave-de-arribação / Zé de Nana tá de prova, naquele lugar tem cova / Gente enterrada no chão
Pois mataram índio que matou grileiro que matou posseiro / Disse um castanheiro para um seringueiro que um estrangeiro / Roubou seu lugar
Foi então que um violeiro chegando na região / Ficou tão penalizado que escreveu essa canção / E talvez, desesperado com tanta devastação / Pegou a primeira estrada, sem rumo, sem direção / Com os olhos cheios de água, sumiu levando essa mágoa / Dentro do seu coração
Aqui termina essa história para gente de valor / Prá gente que tem memória, muita crença, muito amor / Prá defender o que ainda resta, sem rodeio, sem aresta / Era uma vez uma floresta na Linha do Equador

 

Referência Bibliográfica:

MOREIRA, Ildeu de Castro; MASSARANI, Luisa. (En)canto científico: temas de ciência em letras da música popular brasileira. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.13, supl., p.291-307, out. 2006.

Efeito Matilda: A Triste Realidade Profissional em um Simples Estudo de Gênero

girl-2573111_640Eu sempre estou atenta às noticias relacionadas com a minha profissão “de origem”, a de Meio Ambiente (para quem não sabe sou Quimica com mestrado em Toxicologista Ambiental e doutorado incompleto na área de gestão de Acidentes Ambientais Ampliados).

Assim, com a pulga atrás da orelha depois do trabalho que apresentei sobre a Invisibilidade Feminina, quando trouxe ao conhecimento do presentes o Efeito Matilda,  e resolvi fazer um levantamento meio en passant sobre como se comporta o mercado de trabalho na área ambiental quanto ao sexo. Daí eu entrei no site vagas no serviço de mapas de carreiras para saber um pouco mais.

Confesso que fiquei surpresa com a disparidade dos dados, pois na posição mais básica – estágio em meio ambiente – temos entrando no mercado de trabalho 68% de mulheres e 32% de homens. Quando chegamos a posições de liderança, esta porcentagem inverte drasticamente. Entre a função de gerente ambiental temos 43% de mulheres e 57% de homens.

estatistica

Vemos claramente que a porcentagem se inverte cada vez que há uma ascenção no nível profissional. Dentro do gráfico, o único ponto contrastante é o de supervisor ambiental, o que percebi pelas especificações da profissão que esta supervisão é mais voltada para o “chão de fábrica”, ou seja, um ambiente historicamente masculino.

Então eu me pergunto onde anda toda esta conversa (fiada!!) de que temos oportunidades iguais no mercado de trabalho. Não quis entrar na seara da idade para não ter uma depressão, pois se olharmos em sites profissionais tipo linkedin só vemos pessoas sorrindo e felizes com aparência de no máximo 40 anos. Acredito (especulação minha ok?) que o ponto de corte drástico das empresas seja nesta faixa.

Por mais que falemos de direitos iguais, competências iguais, por baixo dos panos isso não acontece, e ainda temos muito, mas muito caminho para percorrer.

A estrada é muito longa, então vamos de sapatos confortáveis e fortalecer os nossos passos.