Estranha Mente

mental-health-2313430_640Setembro chegou. E com ele seu equinócio na promessa da renovação da vida.

Mas hoje foi um dia diferente. Mesmo que a temperatura estivesse amena para um início de setembro, eu senti um frio estranho, daqueles que se treme por dentro.

Hoje não consegui passar aquele delineador, que fica lindo, como o olhar de Nefertiti, aquela bela rainha egípcia.

Não consegui apreciar o bater de asas das borboletas Monarca Azul, em uma dança mágica rodando ao meu redor enquanto eu me sentava em meu lindo trono de madeira posto na varanda.

Hoje não ouvi o cantar dos pássaros, de toda as espécies que existem em nosso tão sofrido país.

Hoje não vi Luzia, com seu olhar ancestral recordando tantas lembranças em sua história.

Hoje acordei, e ao abrir os olhos só vi fumaça e fuligem, criada pelos homens medíocres de há décadas destroem aquilo que temos de mais sagrado – nossa memória. Por tudo que passamos, por tudo que erramos, por tudo que acertamos e por tudo que somos

Hoje acordei de luto. Meu coração acordou negro, ausente deste país que consome as aspirações dos jovens e as bem aventuranças dos velhos.

luto-museu-nacional-630x420

Desejos

network-586177_640

Sabe aquele blog que você resolve criar de forma displicente, apenas para se expressar, ter um espaço para levar pelo mundo os seus pensamentos?

Um cantinho só seu que te possibilita ser platônica e que o próprio Platão te oferece uma nuvem para você viver no mundo das idéias?

Pois este blog é isso tudo, e um pouco mais. E o bom de tudo é descobrir que existem tantas outras pessoas morando nas nuvens que eu não me sinto só!

E é a você, que compartilha comigo estas nuvens, que eu desejo…

DESEJOS

Desejo a você…

Fruto do mato

Cheiro de jardim

Namoro no portão

Domingo sem chuva

Segunda sem mau humor

Sábado com seu amor

Filme do Carlitos

Chope com amigos

Crônica de Rubem Braga

Viver sem inimigos

Filme antigo na TV

Ter uma pessoa especial

E que ela goste de você

Música de Tom com letra de Chico

Frango caipira em pensão do interior

Ouvir uma palavra amável

Ter uma surpresa agradável

Ver a Banda passar

Noite de lua cheia

Rever uma velha amizade

Ter fé em Deus

Não ter que ouvir a palavra não

Nem nunca, nem jamais e adeus.

Rir como criança

Ouvir canto de passarinho.

Sarar de resfriado

Escrever um poema de Amor

Que nunca será rasgado

Formar um par ideal

Tomar banho de cachoeira

Pegar um bronzeado legal

Aprender um nova canção

Esperar alguém na estação

Queijo com goiabada

Pôr-do-Sol na roça

Uma festa

Um violão

Uma seresta

Recordar um amor antigo

Ter um ombro sempre amigo

Bater palmas de alegria

Uma tarde amena

Calçar um velho chinelo

Sentar numa velha poltrona

Tocar violão para alguém

Ouvir a chuva no telhado

Vinho branco

Bolero de Ravel

E muito carinho meu.

 

atribuído a Carlos Drummond de Andrade (não conferi a fonte)