Artistas viajantes mulheres, uma visão feminina sobre a ilustração botânica e etnográfica. Parte 1: Expedições Científicas

As expedições científicas são uma etapa natural do processo de transformar a natureza em ciência. Para que isto ocorresse, uma equipe não era formada apenas por estudiosos, mas também por artistas que acompanhavam estas expedições documentando, das mais variadas formas de registro, o ambiente e as culturas que se apresentam.

Ainda nos séculos XVI e XVII, após o conhecimento do Novo Mundo pela Europa, surgiram os chamados Gabinetes de Curiosidades, que eram lugares de memória por excelência, com pensamento enciclopedista de se ter ao alcance dos olhos tudo o que existe em lugares distantes e desconhecidos (POSSAS, 2005). Nos séculos XVIII e XIX, esses gabinetes foram se modificando através do ordenamento e dos sistemas de classificação, entre eles o Sistema Naturae de Lineu, até chegarem ao estágio de organização de coleções específicas destinadas ao estudo e investigação de espécimes.

Deste estágio, na estruturação de espaços maiores e mais específicos em seus temas, com estudos mais aprofundados, classificação e ordenamento oficial, temos o surgimento dos museus de história natural, com a guarda de todo o conhecimento científico existente até então.

Em relação às novas oportunidades vislumbradas pelas nações navegadoras a partir do século XVIII, estas aproveitaram de “maneira pragmática as oportunidades que agora entreviam, essas nações passaram a enviar expedições marítimas que combinavam a exploração geográfica com um trabalho cuidadosamente planejado por artistas a fim de que, com objetividade, fossem registradas formas desconhecidas da vida vegetal, animal e humana”. (ADES, 1997).

Quando há a citação de mulheres, estas são de classe media ou alta: nobres que acompanham os maridos em viagens diplomáticas, esposas de militares, oficiais da Marinha, comerciantes, cientistas, representantes consulares; jovens viajando com as famílias; viúvas em visita a familiares; senhoras viajando por problemas de saúde; artistas, cientistas ou jornalistas viajando por razoes profissionais; algumas mulheres nobres viajando com a família como turismo.   (LUBOWSKI-JAHN, 2012)(GAZZOLA, 2008).

Muito se tem falado sobre as chamadas expedições científicas e filosóficas. A expedição científica de Alexander von Humboldt e Aimé Bonpland pela América espanhola compreendeu o período de 1799 e 1804. A história nos faz perceber que estas expedições fazem referência apenas a homens cientistas, exploradores e artistas. Isso nos leva ao entendimento errôneo que não houve participação feminina nestas viagens de vanguarda. Na América Latina ocorreram expedições cientificas com mulheres que não eram somente artistas e ilustradoras, mas também naturalistas da mais diferentes áreas. O questionamento a se fazer é porque estas mulheres naturalistas / artistas viajantes são invisíveis tanto nas divulgações científicas quanto nas exposições de arte.

Tanto na História da Ciência quanto na História da Arte, é difícil haver a lembrança imediata com mulheres cronistas viajantes, diferente do que ocorre com os homens na mesma posição. Segundo Vilas Boas & Outeirinho, “apenas nos lembrarmos delas numa ligação a figuras masculinas e num momento posterior à evocação desses viajantes-homens. Com efeito, elas são evocadas e resgatadas tantas vezes na condição de acompanhantes de, esposas de, irmãs ou filhas de….” (grifo nosso) (VILAS-BOAS; OUTEIRINHO, 2014).

Fora deste contexto patriarcal, temos a presença de duas artistas viajantes, naturalistas que viajaram pela América Latina, sozinha como Marianne North, o à sombra do marido, como Maria Graham.

Os cronistas viajantes homens seguiam os preceitos de Humboldt, que era a pintura de paisagem, com a representação da vegetação com maior proporção da paisagem e diversidade ressaltando a composição com diversas plantas, mas com menos detalhes das espécies. Por outro lado, as mulheres cronistas viajantes favoreciam em seus estudos outros assuntos, incluindo etnografia, geologia, arqueologia, e o estudo botânico individualizado. (LUBOWSKI-JAHN, 2012).

Esta visão da individualidade do estudo fica claro quando vemos na pintura de Marianne North o detalhe da imagem 1, onde ela descreve a borboleta como um parasita da faia, bem como as inflorescências descritas por Maria Graham na imagem 2.

Nos próximos dois posts iremos conversar mais sobre cada uma destas artistas viajantes. Dê asas à sua imaginação e e até lá!

Bibliografia:

ADES, Dawn. Arte na America Latina. Cosac & Naif Edições. 1997.

BANDEIRA, Julio. A viagem ao Brasil de Marianne North. Editora Sextante. 2012.

GAZZOLA, Ana Almeida.  The Brazil of Marianne North: Memories of an English Traveler. Estudos Feministas, 2008, Vol.16(3), p.1031

LUBOWSKI-JAHN, A. Picturing the Americas After Humboldt: The Art of Women Travelers. Review: Literature and Arts of the Americas, [S. l.], v. 45, n. 1, p. 97–105, maio 2012.

POSSAS, Helga C. G. Classificar e ordenar: os gabinetes de curiosidades e a história natural. In: Museus: dos gabinetes de curiosidade à museologia moderna. Argentvm Editora. Belo Horizonte. 2005. P. 151 a 162.

VILAS-BOAS, G.; OUTEIRINHO, M. de F. Da literatura de viagens no feminino – notas de leitura. Cadernos de Literatura Comparada, Portugal, v. 30, n. 6, p. 217–227, 2014.

Mundo pós-pandemia, Home Office e Efeito Matilda

Hoje eu fui dar uma “zapeada” na rede social LinkedIn e fiquei preocupada com os rumos do mercado de trabalho no mundo pós-pandemia. Uma grande empresa brasileira anunciou que está implantando o sistema de home office (parcial, pelo menos a princípio) para sua parte administrativa. Eu não faço muito juízo de valor sobre as respostas pois, por ser uma rede social com fins específicos de networking profissional, percebo que interesses pessoais ou falta de reflexão sobre determinados temas correm soltos, afinal, ninguém quer contestar uma empresa ou alguém que possa lhe fornecer um degrau de ascensão no mundo corporativo.

Imagem: Pixabay

O que me deixou pensativa foi justamente a recrudescência do Efeito Matilda no mercado de trabalho (veja este post), com a mulher exercendo o papel de profissional, dona de casa, mãe, etc simultâneamente.

Segundo a Revista Cobertura as mulheres dedicam em média 18,5 horas semanais em cuidados com os afazeres domésticos ou com outros. Uma comparação muito rasteira é como se ela trabalhasse 9 horas por dia, 7 dias por semana. E este cenário se agravou com o isolamento social que ocorre por conta da COVID-19.

Isso é muito preocupante, ainda mais com as várias reportagens sobre o aumento de violência da mulher, síndrome de burnout e a certeza de que as mulheres serão as primeiras a serem demitidas caso não cumpram as metas estabelecidas pela empresa.

Eu estou em regime de home office, e sei bem o quanto esta prática – no meu caso temporária de fato – está sendo negativa para meu emocional.

Ainda não há pesquisas sobre o impacto desta forma de trabalho na saúde do trabalhador, principalmente no caso da mulher trabalhadora. Então, aquilo que eu vi nos posts com profundo regozijo por parte dos que divulgaram a notícia e das respostas dos que procuram um degrau nesta escadaria, o meu sentimento é de temor pela saúde física e mental da mulher trabalhadora, frente a uma rotina que possibilite – a muito desgaste emocional – a sua manutenção no mercado de trabalho.

Creio que ainda está muito cedo para este tipo de tomada de posição. Se nem a vacina temos ainda, quem dirá um trabalho científico sério a respeito da saúde do trabalhador neste cenário.