Poeta Cantado é Poeta Lembrado

plant-142101_640O binômio Arte e Ciência sempre esteve presente em nosso dia-a-dia. Seja através da expressão da ciência através da arte ou da ciência como ferramenta de novos estilos artísticos, ambas sempre andaram a pari passu.

Baudelaire em seu livro O Pintor da Vida Moderna (1863) nos diz sobre (o belo e a moda) que “as transições seriam, nesse caso, tão graduais quanto o são na escala do mundo animal”, em uma clara comparação entre a evolução darwiniana e a Evolução da idéia do Belo.

Nas artes visuais o impressionismo de Monet utilizou da experiência da óptica para transformar pinceladas a princípio aleatórias em telas magníficas. Graças à Óptica não há mais a necessidade do contorno, do delineado. Na música acompanhamos a “evolução” da música passando de um canto monofônico do cantochão à polifonia de Stravinsky.

Da matemática de Pitágoras e suas oitavas até as músicas contemporâneas, temos a possibilidade de expressar não apenas harmonia e melodia, mas também sonhos e desejos nas nossas mais diferentes ideologias ou visões de mundo. MOREIRA, I.C. & MASSARANI, L. (2006) nos dizem em seu texto que “…como, nas letras de canções da música popular brasileira, surgem e se expressam temas e visões sobre a ciência, a tecnologia e seus impactos na vida moderna.”

Sobre o prisma da sustentabilidade, do desmatamento, temos nos compositores oriundos das regiões fora do círculo das grandes metrópoles e cujos locais passam por graves problemas ambientais a expressão mais contundente da causa ambiental. Dentre estes, o compositor Xangai, nascido em Itapebi, sul da Bahia nos narra através da sua música Matança (Jatobá), sobre os problemas do desmatamento e de como temos nossa saúde ambiental ameaçada com a modificação das matas. Além disso, como característica do cancioneiro, do cordel, ele fala com bom humor onde estão habitando nossas espécies mais nobres de árvores. Da mesma linha temos a música Saga da Amazônia, do compositor Vital Farias, nos fala não só da questão ambiental mas das políticas envolvidas nas regiões de conflito, mas envolvendo a questão cultural e metafórica na letra, como podemos ver a seguir:

MATANÇA (Xangai)
Cipó Caboclo tá subindo na virola / Chegou a hora do Pinheiro balançar / Sentir o cheiro do mato, da Imburana/ Descansar, morrer de sono na sombra da Barriguda / De nada vale tanto esforço do meu canto / Pra nosso espanto tanta mata haja vão matar / Tal Mata Atlântica e a próxima Amazônica / Arvoredos seculares impossível replantar
Que triste sina teve o Cedro, nosso primo / Desde de menino que eu nem gosto de falar/ Depois de tanto sofrimento seu destino / Virou tamborete, mesa, cadeira, balcão de bar / Quem por acaso ouviu falar da Sucupira / Parece até mentira que o Jacarandá Antes de virar poltrona, porta, armário / Mora no dicionário, vida eterna, milenar
Quem hoje é vivo corre perigo / E os inimigos do verde dá sombra ao ar / Que se respira e a clorofila / Das matas virgens destruídas vão lembrar / Que quando chegar a hora / É certo que não demora / Não chame Nossa Senhora / Só quem pode nos salvar é…
Caviúna, Cerejeira, Baraúna / Imbuia, Pau-d’arco, Solva / Juazeiro e Jatobá / GonçaloAlves, Paraíba, Itaúba / Louro, Ipê, Paracaúba / Peroba, Massaranduba / Carvalho, Mogno, Canela, Imbuzeiro / Catuaba, Janaúba, Aroeira, Araribá / Pau-Ferro, Angico, Amargoso, Gameleira / Andiroba, Copaíba, Pau-Brasil, Jequitibá

SAGA DA AMAZÔNIA (Vital Farias)
Era uma vez na Amazônia a mais bonita floresta / Mata verde, céu azul, a mais imensa floresta / No fundo d’água as Iaras, caboclo lendas e mágoas / E os rios puxando as águas
Papagaios, periquitos, cuidavam de suas cores / Os peixes singrando os rios, curumins cheios de amores / Sorria o jurupari, uirapuru, seu porvir / Era: Fauna, flora, frutos e flores
Toda mata tem caipora para a mata vigiar / Veio caipora de fora para a mata definhar E trouxe dragão-de-ferro, prá comer muita madeira / E trouxe em estilo gigante, prá acabar com a capoeira
Fizeram logo o projeto sem ninguém testemunhar / Prá o dragão cortar madeira e toda mata derrubar / Se a floresta meu amigo, tivesse pé prá andar / Eu garanto, meu amigo, com o perigo não tinha ficado lá
O que se corta em segundos gasta tempo prá vingar / E o fruto que dá no cacho prá gente se alimentar? / Depois tem o passarinho, tem o ninho, tem o ar / Igarapé, rio abaixo, tem riacho e esse rio que é um mar
Mas o dragão continua a floresta devorar / E quem habita essa mata, prá onde vai se mudar??? / Corre índio, seringueiro, preguiça, tamanduá / Tartaruga: Pé ligeiro, correcorre tribo dos Kamaiura
No lugar que havia mata, hoje há perseguição / Grileiro mata posseiro só prá lhe roubar seu chão / Castanheiro, seringueiro já viraram até peão / Afora os que já
morreram como ave-de-arribação / Zé de Nana tá de prova, naquele lugar tem cova / Gente enterrada no chão
Pois mataram índio que matou grileiro que matou posseiro / Disse um castanheiro para um seringueiro que um estrangeiro / Roubou seu lugar
Foi então que um violeiro chegando na região / Ficou tão penalizado que escreveu essa canção / E talvez, desesperado com tanta devastação / Pegou a primeira estrada, sem rumo, sem direção / Com os olhos cheios de água, sumiu levando essa mágoa / Dentro do seu coração
Aqui termina essa história para gente de valor / Prá gente que tem memória, muita crença, muito amor / Prá defender o que ainda resta, sem rodeio, sem aresta / Era uma vez uma floresta na Linha do Equador

 

Referência Bibliográfica:

MOREIRA, Ildeu de Castro; MASSARANI, Luisa. (En)canto científico: temas de ciência em letras da música popular brasileira. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.13, supl., p.291-307, out. 2006.

Clipes de Arte – Losing My Religion / R.E.M. Renascimento e Barroco se Encontram

No mundo contemporâneo as obras de arte não se encontram apenas na antiga tríade, sejam elas pintura, escultura e arquitetura. As artes digitais diferenciam qualquer produção, principalmente as de videoclipes. Um dos mais fantásticos clipes que já vi até hoje em termos de inspiração artística é o Losing My Religion – R.E.M do que se percebe claramente a disputa do estilo barroco com o renascentista.

Me atrevo até a analisar os frames segundo os fundamentos de Wollflin, que em seu trabalho historiográfico separa 5 pares de conceito que distingue o barroco do renascimento.

Renascimento

renasc1
Figura 1 – renascimento

 1) A forma fechada – fica claro neste frame, ou seja, toda a história cabe na imagem, o expectador não foge o olhar da tela, a tela está contida nela mesma.

2) Linearidade: percebemos os detalhes do panejamento, da asa, das nuvens. Os traços são contínuos.

3) Planaridade: Toda a cena ocorre em planos paralelos, ou seja, podemos facilmente retirar a árvore, por exemplo, sem prejuízo da imagem dos homens, o mesmo acontecendo com a montanha.

4) Pluralidade: Como existem planos paralelos que podem ser “fatiados” sem perda de contornos, cada fatia desta mantém sua autonomia. Estes planos são autônomos.

5) Clareza Absoluta: A tela é clara, transborda a claridade e assim se percebe todos os detalhes do quadro, como se o expectador estivesse jogando um foco de luz diretamente na tela.

Barroco

barroco2
Figura 2 – Barroco

1) Forma Aberta: No frame selecionado, percebemos que a cena não termina nela, existe uma diagonal nas personagens que faz com que o olhar saia da tela, procure algo fora.

2) Pictórico: não há contornos definidos, linhas formando toda a imagem. Por exemplo, não conseguimos ver os pés da mulher ou a perna direita do homem desnudo.

3) Profundidade: o barroco brinca com a profundidade através do jogo de diagonais e claro/escuro. Há peso na parede, texturas que não são vistas no renascimento

4) Unidade: A supressão de qualquer personagem “retalha” o quadro. Não se consegue recortar, por exemplo, o homem desnudo do homem ao lado sem perda da história.

5) Clareza relativa: No barroco mais do que em qualquer outro estilo, o jogo de sombra e luz se faz presente para dar dramaticidade e densidade na tela. A luz não é frontal como no renascimento, mas vem de uma diagonal, que deixa determinadas partes obscuras nas pinturas.

 

Na realidade a análise de obras de arte é uma dos temas mais interessantes para um historiador da arte, mas fazer este trabalho em videoclipes é fantástico.

 

Bibliografia:

WÖLFLLIN, H. Conceitos Fundamentais de História da Arte. São Paulo: Martins Fontes. 1984.