Publicado em Arte, Ciência, Gênero, Pintores Viajantes

Maria Sibylla Merian e a invisibilidade feminina

Maria Sibylla MerianA alemã Maria Sibylla Merian (1647-1717) não foi, como muitos dizem, uma “naturalista e ilustradora botânica”. Esta simples apresentação leva Sibylla a ser conhecida apenas com uma mulher pintando aquarelas naturalistas.

Não! Ela, tanto quanto outras que a História encarcerou entre aquarelas e bordados, foi uma cientista, que viveu no séc XVII e fez descobertas maravilhosas no campo da botânica e da zoologia, com foco em entomologia.

Ela foi o primeira cientista a pesquisar e documentar o processo de metamorfose da borboleta. Seu estudo e observação se deu para analisar a hipótese vigente na época da geração espontânea, ou seja, belas borboletas seriam oriundas de materiais putrefatos, ideia esta em voga desde Aristóteles.

Em 1685 ela publica seu terceiro volume de ilustrações e se muda com a família para o Suriname, onde seu trabalho de botânica e zoologia mais de desenvolve.

Em 1701 ela volta para Amsterdã com malária e fica em definitivo na Europa. Até 1705 ela publica 60 ilustrações sobre as mais diversas fases evolutivas de diferentes insetos.

Em 1705 ela publica a obra Metamorphosis Insectorum Surinamensium, onde detalha através de textos e ilustrações o que seria a primeira obra de História Natural do Suriname

Com sua morte em 1717, sua obra Erucarum Ortus Alimentum et Paradoxa Metamorphosis é publicada postumamente.

Na atualidade ainda temos muito que resgatar da memória de grandes mulheres esquecidas ou relegadas a segundo plano. Maria Sibylla Merian, Marianne North, entre tantas outras fazem parte desde legado de grandes mulheres que pesquiso para resgatar suas histórias.

Publicado em Arte, Ciência, Gênero, Pintores Viajantes

Marianne North, uma vitoriana entre nós

Marianne_North01Muito pouco se escuta falar desta fantástica mulher – Marianne North. Nascida em 1830 na Inglaterra vitoriana, esta mulher teve seus objetivos bastante definidos: queria participar de expedições científicas como pintora / ilustradora botânica.

Alheia à sociedade, que impunha a mulher o papel de mãe e esposa, ela se aventurou por vários territórios desconhecidos, como o nosso Brasil em 1872. Entre 1871 e 1885 participou de algumas expedições, deixando um legado que cerca de 800 pinturas, doadas ao Royal Botanic Gardens, em Kew. Destas viagens também existem 3 diários publicados.

Sua jornada começa com uma promessa no leito de morte de sua mãe, que pediu que ela não abandonasse seu pai sozinho. Como seu pai viajava bastante, ela o acompanhou durante 14 anos em outros lugares, como o Oriente Médio. Após a morte do pai em 1869, ela saiu a viajar pelo mundo, pintando “espécies exóticas” nas mais diferentes colônias / países dos trópicos.

O trabalho desta pioneira vitoriana no campo da Botânica e das Artes deve ser exaltado. Poucas mulheres deste período trabalharam em prol da Ciência de da Arte de maneira tão bela. Podemos imaginar o que é preconceito da sociedade contra uma mulher solteira, viajando pelas Américas e Africa em expedições formadas por homens, desenvolvendo um trabalho riquíssimo em termos de ilustração.

Era fácil ser Debret, era fácil de Rugendas. Mas com certeza não era fácil ser Marianne North.

A ela, todo meu respeito!