Me deixe sozinha

Adoro dias chuvosos. Combinam com uma das mais belas Rosângelas que habitam dentro de mim. Gosto de passear displicentemente pelas ruas do centro da cidade com meu echarpe vermelho, olhando para aquelas belas construções neoclássicas que povoaram a arquitetura do século XIX. E para estas caminhadas, nada melhor que a companhia das musas que guardam o Teatro Municipal, me auxiliando a passar pelas folhas de acanto que sustentam as grandes colunas de imponentes prédios.

Mas infelizmente nem tudo dá uma bela foto que valha a pena colocar nas redes sociais. Em uma sociedade como a nossa, prazeres simples como passear nas ruas para uma mulher sozinha se torna uma batalha.

Ouvir cantadas velhas e machistas, ser a nora perfeita para sogras imaginárias, se sentir um pedaço de carne ambulante, não poder sequer rir ao lembrar de um fato engraçado para que o indivíduo não ache que voce está “dando mole”. Meu Deus! Me tiraram o direito ao riso frouxo!

Suzana e os Anciãos (1610) – Artemisia Gentileschi

Como sou insistente em meu passeio pelas ruas estreitas do centro, desviando de carantonhas e sons de gralhas que insistem em me perturbar a viagem, as musas acham por bem me confiar a Baudelaire. Ele, como um autêntico flâneur, me guia até um antigo café, com seu piso do século XIX ainda intacto, para que eu pudesse, ao beber lentamente minha xícara de capuccino, me transportar para minhas outras vidas, me desligasse da contemporaneidade enloquecedora e barulhenta e aproveitasse alguns momentos de profundo prazer de minha própria companhia.

E passo alguns belos momentos pensando, devaneando, sorrindo de alegrias passadas e presentes, e para pessoas queridas que desfilam pelos olhos da minha alma. Neste momento não lembro onde o corpo está, mas alma certamente está no paraíso.

Senti o cheiro de feijão da minha mãe, comi o bolinho de chuva com canela e tomei o café que ela tinha acabado de passar. Até dancei soltinho com meu pai e seu sapato bicolor na sala.

Terraço do Café à Noite (1888) – Vincent Van Gogh

De repente, escuto um “- senhora?” muito ao longe. Deixei meu bolinho de chuva no prato, me despedi de meus pais e voltei para a cafeteria que estava.

Ao sair do meu paraíso particular, a garçonete, muito envergonhada, me diz que um determinado senhor me viu muito tempo sozinha e por isso se dispôs a me fazer companhia, a se sentar em minha mesa para eu não ficar sozinha.

Ainda aérea pelo fuso horário entre o meu mundo mágico e o café onde eu estava sentada, me perguntei “eu? sozinha?”. Após alguns instantes agradeci mas recusei a companhia pois eu queria estar sozinha, foi para isso que saí de casa aquele dia, para estar comigo. Ao passar por mim, o educado cavalheiro balbuciou pelo canto da boca a real ideia do que ele achava que eu era.

Mas não me dou por vencida. Fico até o final do que eu tinha programado para o meu dia. Ajeito meu echarpe vermelho e retoco meu batom. E enquanto faço isso, reforço a minha disposição de lutar com unhas pintadas e um belo sorriso contra essa sociedade tão misógina, que sequer nos deixa sair às ruas em paz – e sozinha.

Artistas viajantes mulheres, uma visão feminina sobre a ilustração botânica e etnográfica. Parte 2: Maria Graham

Maria Graham nasceu em Papcastle, Inglaterra no ano de 1785. Esposa do  capitão da Marinha Real Inglesa Thomas Graham, com ele viaja para o Chile em 1821.  Maria era pintora, desenhista, escritora e historiadora britânica. Curiosamente Maria Graham foi preceptora da princesa D. Maria da Glória, filha de D. Pedro II e Maria Leopoldina (inclusive foi inspiração para uma personagem em uma telenovela).

Imagem 1. Maria, Lady Callcott retratada por Sir Thomas Lawrence (Domínio público)

No Chile Maria Graham morou em Valparaíso e escreveu o livro “Diários de uma residência no Chile”, em 1824. Como Maria estava presente no terremoto de Valparaíso em 1822, ela descreveu todo o processo em seu diário e por isso teve uma presença marcante na Sociedade de Geologia.

Ela foi a primeira mulher a publicar no Transactions of the Geological Society, causando grandes controvérsias. Seu artigo “O Relato de alguns efeitos dos terremotos tardios no Chile” teve uma influência considerável e foi citado por Charles Lyell e Charles Darwin.

Maria Graham pintou vários tipos de ilustração, desde paisagens com diferentes registros botânicos a pesquisas etnográficas. Na imagem 2 vemos a ilustração de um pequeno vilarejo, seus moradores e a formação das casas na cidade do Rio de Janeiro

Imagem 2. Desenho no Journal of a Voyage to Brazil.

Na imagem 3 vemos um trecho de sua correspondência para com a ilustração botânica para o naturalista Willian Jackson Hooker, da Royal Society de Londres.

Imagem 3. Carta para Willian Hooker, em 11 de abril de 1824

Maria Graham volta para a Inglaterra e em novembro de 1842 ela esta brilhante mulher morre em Kensington Pits, vítima de tuberculose, aos 57 anos de idade.