31 de Outubro – Dia do Saci Pererê

perere4-1

As bruxas que me perdoem, mas hoje o nosso Saci também reina. Em 2003 foi elaborado o projeto de lei federal nº 2.762 que indicaria o dia 31/10 como dia do nosso personagem folclórico preferido.

Para contar a história ninguém melhor do que Câmara Cascudo, que em seu Dicionário do Folclore Brasileiro descreve nosso personagem como:

” Entidade maléfica em muitas, graciosa e zombeteira noutras oportunidades, comuns nos estados do sul.

Pequeno negrinho, com uma só perna, carapuça vermelha na cabeça que o faz encantado, ágil, astuto, amigo de fumar cachimbo, de entranças as crinas dos animais, depois de extenuá-los em correrias. Durante a noite, anuncia-se pelo assobio persistente e misterioso, ilocalizável e assombrador. Pode dar dinheiro.

Não atravessa água como todos os “encantados”. Diverte-se criando dificuldades domésticas, apagando o lume, queimando alimentos, espantando gado, espavorindo os viajantes nos caminhos solitários.

Pererê-Turma-Ziraldo
Turma do Pererê – Ziraldo

Há muita documentação sobre o Saci, origem e modificação. Os cronistas do Brasil colonial não o mencionam. Parece ter nascido no século 19 ou finais do antecedente. Conhecemos aves com seu nome.

O carapuço vermelho é o pileus romano, e já Petrônio (Satyricon, 38) registrava a crendice romana do pileus do íncubo dar riqueza a quem o arrebatasse. O negrinho buliçoso, visível ou invisível, troçando de todos aparece no folclore português.

Muito obrigada Camara Cascudo por seu trabalho maravilhoso em registrar nosso tão riquíssimo folclore.

Bibliografia:

CÂMARA CASCUDO, Luis. Dicionário do Folclore Brasileiro. Ediouro Publicações S.A. 930p. 1954.

 

Importância da Divulgação Científica no universo das redes sociais

Divulgação científica e popularização da ciência, são as atividades que buscam fazer uma difusão do conhecimento científico para públicos não especializados.

Trocando em miúdos, quem trabalha com Divulgação Científica não está aí apenas para ser mediador em exposições, trabalhar com a Educação Não Formal e produzir eventos.

Em um mundo midiático, com surgimento maior das chamadas “fakenews”, verdades, meias verdades e mentiras se misturam em discursos retóricos no nosso dia-a-dia.

Assim, devido à falta de conhecimento do grande público relacionado a assuntos mais comuns, tanto quanto a crença em notícias passadas de pessoa a pessoa como “correntes das notícias”, vemos em nossa sociedade um acúmulo de práticas totalmente deletérias às escolhas sensatas.

agostodourado-Por exemplo, há alguns meses, em uma novela de grande audiência, uma atriz em personagem de médica orientou a mãe de um recém-nascido que fizesse aleitamento cruzado. Prática totalmente contrária ao Ministério da Saúde, que inclusive faz campanhas de bancos de leite para evitar esta prática em recém-nascidos.

 

Vemos agora um surto de doenças antes erradicadas surgindo cada vez mais, devido principalmente  mensagens que veiculam contrárias à vacinação infantil.

Sem título

E mostro estes exemplos no campo da saúde pública, sem falar de tantos outras áreas da sociedade que pipocam diariamente.

Neste movimento a favor da divulgação de notícias sérias, com  caráter verdadeiros, a Divulgação Científica é um ponto essencial para a formação de uma sociedade mais apta para fazer suas escolhas de forma correta.

fake-1903823_1280