O Que NÃO É Divulgação Científica

Eu vejo a Divulgação Cientifica agindo não apenas na área acadêmica, mas também como sendo de grande importância para as empresas que querem ser reconhecidas pelos seus valores socioambientais.

Semana passada, elaborando uma métrica sobre um evento para uma pesquisa de audiência, percebi pelas respostas que de uma forma geral as pessoas não sabem o que é Divulgação Científica.

Então começo dizendo o que NÃO É Divulgação Científica. Congressos, colóquios, simpósios, semanas acadêmicas, palestras científicas não fazem parte da Divulgação Científica, são eventos entre pares.

A proposta da Divulgação Científica (e este é o grande “barato”) é justamente falar de assuntos técnico-científicos para a população dita “leiga” de forma que eles entendam claramente o que você ou sua empresa se propõe.

As empresas publicam seus relatórios para o público em geral nos mais diversos meios de comunicação mas agem como se toda a população soubesse do que está sendo falado. E isso eu entendo como ser translúcido e não transparente. Afinal, o que adianta fazer uma relatório impecável cujo indivíduo comum não entende a mensagem?

Quer fazer uma divulgação eficaz, quer que a população entenda o valor agregado existente? Fale adequadamente com o público que quer atingir. Afinal, a boa comunicação abre qualquer porta.

https://www.facebook.com/osconfusentos/photos/a.491695711030633/815886918611509/?type=3&theater
https://www.facebook.com/osconfusentos/photos/a.491695711030633/815886918611509/?type=3&theater

Estranha Mente

mental-health-2313430_640Setembro chegou. E com ele seu equinócio na promessa da renovação da vida.

Mas hoje foi um dia diferente. Mesmo que a temperatura estivesse amena para um início de setembro, eu senti um frio estranho, daqueles que se treme por dentro.

Hoje não consegui passar aquele delineador, que fica lindo, como o olhar de Nefertiti, aquela bela rainha egípcia.

Não consegui apreciar o bater de asas das borboletas Monarca Azul, em uma dança mágica rodando ao meu redor enquanto eu me sentava em meu lindo trono de madeira posto na varanda.

Hoje não ouvi o cantar dos pássaros, de toda as espécies que existem em nosso tão sofrido país.

Hoje não vi Luzia, com seu olhar ancestral recordando tantas lembranças em sua história.

Hoje acordei, e ao abrir os olhos só vi fumaça e fuligem, criada pelos homens medíocres de há décadas destroem aquilo que temos de mais sagrado – nossa memória. Por tudo que passamos, por tudo que erramos, por tudo que acertamos e por tudo que somos

Hoje acordei de luto. Meu coração acordou negro, ausente deste país que consome as aspirações dos jovens e as bem aventuranças dos velhos.

luto-museu-nacional-630x420